Por: Christina Gomez Echavarria

Baltimore, MD, Estados Unidos.

Para os estudantes universitários de hoje, o “não tradicional” é o novo “normal”.

De acordo com o Departamento de Educação, os estudantes universitários não tradicionais (acima dos 25 anos de idade, trabalhando pelo menos meio período, e/ou criando uma família própria) representam 65% do total da população estudantil universitária nos Estados Unidos.

É claro, o modelo tradicional para o ensino superior (no campus, em aulas presenciais) não se mistura bem com os horários ocupados dos estudantes não tradicionais. Ao mesmo tempo que o crescimento do ensino à distância e de outras tecnologias educacionais têm permitido que as instituições possam oferecer cursos mais flexíveis, o custo continua sendo um dos principais obstáculos que dissuade ou inclusive impede que os estudantes não tradicionais terminem seus programas de formação ou inclusive que comecem algum.

“93% das instituições universitárias cobram o mesmo ou mais por seus cursos online do que pelas aulas presenciais, embora o custo de entrega seja menor”.

Esta foi a questão que inspirou a criação da Straighter Line, uma comunidade de aprendizadagem online não tradicional para estudantes não tradicionais.  Fundada em 2008, a Straighter Line oferece cursos universitários de educação geral com preços reduzidos, tais como Economia, Psicologia, Contabilidade  e muitos outros. Burck Smith, presidente e fundador da Straighter Line, teve originalmente a ideia nos anos 90, enquanto estudava na Universidade Harvard para seu diploma de mestrado e quando a educação online ainda estava nos seus primeiros anos. Sabendo que a tecnologia da educação evoluía e alcançava um nível particular de adoção, os cursos poderiam ser oferecidos mais facilmente e a um custo menor. Ainda assim, de acordo com Smith, apesar do crescimento e a adoção do ensino à distância, “93% das instituições universitárias cobram o mesmo ou mais por cursos online, do que pelas aulas presenciais, embora o custo de entrega não seja o mesmo”.

Straighter Line não só reduz os custos típicos para as aulas introdutórias, mas também permite que os estudantes poupem tempo e finalizem os cursos ao preço (ou hora) que eles decidam. “Temos observado dados de que estudantes provenientes dos nossos cursos têm melhor desempenho do que um estudante universitário promédio não-graduado”, diz Smith. Em parte porque nós temos cursos ótimos e eu estou muito orgulhoso de dizer isso, mas também porque quando os estudantes usam nossos cursos, eles estão se testando antes de entrar num programa universitário completo. Eles estão basicamente demonstrando que eles vão ser estudantes bem sucedidos com maiores possibilidades de êxito”.

Burck_SmithSmith diz que as estatísticas apoiam essa abordagem da Straighter Line, já que as taxas de formatura universitária para os estudantes de ensino à distância (semelhantes a Straighter Line) são mais altas do que aquelas dos estudantes que não são. As taxas mais altas de sucesso são atribuídas à flexibilidade dos cursos, o que dá a oportunidade aos estudantes de trabalhar para se sustentar e/ou cuidar de sua família e estudar em seu tempo livre.

As taxas melhoradas de formatura e de retenção no programa são muito atrativas para as universidades, pois tem  sido possível fazer parcerias com mais de 100 universidades que permitem que os estudantes transfiram seus créditos de Straighter Line até um programa de formatura que eles escolhem. “Straighter Line pode também ser um destino de referência para universidades que tenham perdido seu compromisso com os estudantes”, disse Smith. “Muitas instituições têm estudantes que aplicaram, mas falharam em se matricular, ou que se matricularam, mas falharam em completar seu curso, e, desta maneira, eles podem contatar esses estudantes, dizer-lhes que tomem alguns cursos de Straighter Line e depois voltem e, felizmente, receberão seus diplomas”.

Não foi fácil para Straighter Line no começo, porque a ideia de que era possível receber cursos de nível universitário, por um décimo do preço, era muito controverso. “Construímos nossos cursos como qualquer instituição faria”, disse Smith. “Quando as pessoas nos fizeram críticas, era uma insinuação oculta de que nossos cursos eram de baixa qualidade, mas esse não foi nem é o caso. Também, o mercado tem evoluído. Em 2012, quando os MOOCs (Massive Online Open Courses) se tornaram amplamente disponíveis, as pessoas começaram a entender que os cursos online eram uma opção válida”.

No lado da tecnologia, Smith não alega ter feito uma grande, mas, ter usado tecnologia existente e tê-la transformado. “Em educação, tendemos a procurar uma bala de prata da tecnologia para mudar estruturas”, disse Smith. “Mas, como em todas as indústrias, a tecnologia só é poderosa quando está acompanhada por modelos de negócios novos. Então, quando começamos, percebemos que não precisávamos de nenhuma tecnologia nova, só precisávamos pôr a tecnologia existente em um novo modelo econômico. Tomamos o melhor do que havia lá fora: companhias de tutoriais online. Usamos Moodlerooms porque é uma plataforma maravilhosa open source, onde podemos fazer nossos próprios ajustes; integramos essa plataforma com serviços de inspeção de provas e transmitimos as aulas através de vídeos ou podcast”.

No final do dia, Straighter Line quer é ajudar que os estudantes se formem, com habilidades comercializáveis, que eles poupem dinheiro e evitem que eles façam parte daqueles 40% dos estudantes que atualmente não completam seu programa e acabam tendo uma dívida maciça sem a recompensa de um diploma. “Opções de baixo risco como Straighter Line são uma oportunidade para fazer isso”, disse Smith, “porque os estudantes têm mais confiança em seu êxito futuro e, finalmente, podemos ver as taxas de êxito aumentar e a dívida diminuir, o que é muito emocionante”.

*Burck Smith – Presidente e fundador da Straighter Line

Na foto: Burck Smith.